Por que um homem muda radicalmente depois de uma rejeição amorosa? |




A mitologia quixotesca do herói que enfrenta os dragões (moinhos de vento) para conquistar a sua donzela está impregnada no imaginário masculino


"Vi uma reportagem de um homem que mudou radicalmente depois que a mulher se separou dele e me perguntei por que mudamos tanto após uma rejeição? Sou um exemplo vivo disso.

No meu último relacionamento, fui diversas vezes cobrado de muitas coisas que não fazia, coisas que não fazia por mim. Deixei de me cuidar com relação à saúde, me acomodei muito e entrei numa zona de conforto e hoje vejo o quanto me fez mal. Por diversas vezes tentei melhorar esses aspectos e sempre voltava à estaca zero. Porém, isso e alguns outros problemas, minaram o relacionamento e ele acabou há um tempo.

Depois disso, concluí diversas metas que já tinha pra minha vida. Voltei a me cuidar (até encarei academia, que nunca fui muito fã), voltei a traçar objetivos pessoais e profissionais e, principalmente, passei a procurar formas de concluí-los. Melhorei no trabalho, recuperei minha relação com alguns amigos que, naturalmente e infelizmente, afastei.

Aprendi muito com diversos erros e hoje vejo tudo de uma forma diferente. De onde vem essas forças após uma rejeição, por que não buscamos sair da zona de conforto durante um relacionamento? 

Sei que nem todos são assim mas conheço muita gente que é e seguiu esses caminhos também.
KLB"


Caro KLB,

Existe algo de obscuro no universo masculino (e na ideia dos homens sobre romance) que explica um pouco desse fenômeno, comum em muitas relações.

Homens são treinados desde muito cedo a pensar a vida de forma compartimentada, ou seja, cada coisa tem o seu lugar e uma não se mistura com a outra. Por exemplo, paquera é paquera e casamento é outra coisa.

O romantismo masculino

A mitologia quixotesca do herói que enfrenta os dragões (moinhos de vento) para conquistar a sua donzela está impregnada no imaginário masculino. Os homens se acostumaram a visualizar os relacionamentos como fases do Super Mario. Enquanto seduzem e conquistam, até entrar num relacionamento sério, evidenciam suas virtudes, sua boa aparência e mantém um comportamento exemplar, como se estivessem em combate.

Essa escalada é muito envolvente e desafiadora e, quando chega no que ele determina como fase final, sente que pode sentar no topo da montanha e usufruir a merecida cervejinha e gozar a vida. Cumpriu sua missão.

Fobia de intimidade

Existe outro fator muito presente em vários homens que é sofrer de uma certa obsessividade pessoal que os deixe paralisados para usufruir de uma rotina fluida, leve e amorosamente íntima.

Essa é a vida íntima de muitos homens, depois que você se aproxima



 

Esse desconforto em vivenciar sua vulnerabilidade emocional, lidar com questões complexas - ou seja, menos binárias e com respostas prontas - impele o homem a evitar maior profundidade.

Ele se sente seguro na superfície das ações, lidando com questões preto no branco, mas quando entra no campo das emoções, onde existem forças ocultas e sentimentos ambivalentes, ele recua e fica acanhado.


O ambiente doméstico passa a ser um lugar inóspito aos seus olhos e o convívio com a parceira começa a exigir dele um auto-conhecimento que o assusta. A autoimagem estereotipada, que cabia bem na fase de conquista, não se desdobra saudavelmente no convívio íntimo. Por esse motivo, ele foge de discutir a relação.

Se ele é questionado sobre o que pensa de verdade, dará a resposta que estiver ao alcance de sua percepção. De modo geral, ela navega pelos papéis sociais onde ele se sente mais confortável.

As prisões emocionais masculinas o impedem de ver além do papel de vitorioso ou fracassado e, na dúvida, ele usa de um recurso muito comum: o tédio e a paralisia.

 

 

Passivo-agressivo

Na vida íntima, o homem se sente demandado por ações que exijam mais generosidade, empatia e sensibilidade, mas ele está acostumado a pensar em suas próprias necessidades e tem medo de arriscar uma ação fracassada. Ao mesmo tempo, ele não quer parecer declaradamente egoísta.

— Meu amor, eu estou cuidando dessas coisas na correria do dia você poderia trocar uma lâmpada que queimou?

— Claro querida, faço isso hoje.

A gente sabe quando essa lâmpada será trocada: quando todas as lâmpadas da casa queimarem, uma após uma, até ele próprio não conseguir mais andar por lá. Enquanto houver um fiapo de luz ele correrá para lá para ler ou enxergar, mas não vai até qualquer loja para comprar a lâmpada.

Por que ele não foi? Seria tão fácil… Mas não o é para alguém que se sentiu obrigado ou submetido a fazer algo "contrariado" e, portanto, age de uma maneira passiva, como quem estivesse atacando com sua negligência. Isso também acontece no trabalho, ao usar atrasos e faltas como meio sutil de punir algum chefe que considere abusivo.

"Mas, por causa de uma lâmpada, Fred?", o problema não é a lâmpada, mas a sensação de estar sendo dominado pelas ordens de outra pessoa.

É como se ele já achasse que está sobrecarregado demais, que está "lutando", trabalhando e se matando. Esse ciclo de autopiedade misturado com insubordinação faz ele se entregar de vez, e isso pode ser com sua parceira, com seu chefe ou com um amigo - ainda que homens mais conservadores se incomodem especialmente com mulheres.

O pé na bunda




Então, caro KLB, quando o sujeito toma um pé na bunda, ele entra no modo conquista padrão com o adicional de orgulho ferido. Toda a barriguinha negligente, preguiça crônica e passividade são colocados de lado e ele volta para o modo Super Mario. E, como bom jogador, ele está correndo contra o tempo, por isso, a sensação de escassez domina seu imaginário e o que ele puder fazer, seja por desespero, despeito ou saudade ele fará.

E por que não fez isso antes? Por que, para ele, o desafio não estava claro, o risco não era expressivo, a ameaça era subestimada e a negligência emocional criou um ponto-cego.

Depois de sair correndo para tentar reconquistar a ex, sem sucesso, ele segue como um cavaleiro solitário naquele projeto que nunca deveria sido colocado de lado na vida.


FONTE: PAPO DE HOMEM
Share on Google Plus

About Santarém-PA

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.